Instituto Core inaugura primeiro prédio de futuro “complexo” cultural em Joinville/SC

Google+PinterestLinkedInTumblr+

Organização tem programa que quer transformar crianças e adolescentes em músicos de orquestra entre suas ações

A primeira etapa de um projeto ambicioso que pretende colocar Joinville/SC em outro patamar na área da música foi sedimentada na noite de ontem, quando o Coree Excellence Center (Coree), uma organização sem fins lucrativos, inaugurou o novo prédio da instituição que nasceu em 2016 sob os pilares de desenvolver a educação, a cultura e a tecnologia da cidade. O local fará parte de um complexo no qual pretende-se que, nos próximos anos, exista elementos de referência internacional – objetivo que levou também o Instituto Core a mudar seu nome e sua marca de forma a garantir a universalização de suas ações.

O novo prédio atualmente abriga a Escola Internacional de Joinville e o Instituto Core de Música, onde passaram a ser oferecidas as aulas que antes aconteciam em outras estruturas do mesmo terreno na rua Gothard Kaesemodel, no bairro Anita Garibaldi. Construído em pouco mais de um ano, o prédio de 11 mil metros quadrados comporta a estrutura da Escola Internacional, que é particular e agora passará a se chamar Coree International School; e seis salas do centro de formação em música, agora chamado de Coree Music Institute. Há também, ainda em construção, um teatro para 450 pessoas e uma área de exposições.

Futura orquestra filarmônica

O projeto de música é o grande trunfo do Coree para a área cultural da cidade. Desde 2017, crianças e adolescentes recebem formação, em um processo que já levou à criação de uma Orquestra Infantojuvenil e que pretende desenvolver, até 2025, uma Orquestra Jovem, para que, em 2030, Joinville tenha uma Orquestra Filarmônica.

Em 2019, são 160 alunos que têm aulas de diferentes instrumentos musicais, 80% vindos da rede pública de ensino com bolsas de estudo integrais e parciais. A ideia era que a Orquestra Infantojuvenil tivesse sua estreia apenas em 2020, mas o bom desempenho dos alunos adiantou a primeira apresentação para o mês de maio de 2019.

— Esse perfil de planejamento é bastante inédito porque a proposta é criar profissionais de música que irão compor a orquestra. Não é reunir músicos de diferentes lugares para contratar — afirma o presidente do Conselho de Administração do Core, Ernesto Heinzelmann.

O primeiro prédio custou R$ 29 milhões, construção feita com recursos próprios. Ainda há o objetivo de construir um prédio para o centro de formação em música e um Concert Hall. Para estes, haverá busca de recursos via leis de incentivo à cultura e doações, como ocorre para o programa de música.

Na noite de ontem, a organização lançou o programa Amigos do Coree Music, que possibilita doação com contribuições mensais de qualquer quantia a partir de R$ 20; a contribuição direta por meio de transferência ou depósito bancário; e doação via Lei de Incentivo à Cultura, em que pessoas físicas e jurídicas podem deduzir parte do imposto de renda e repassar o valor diretamente para o projeto.

— No sábado, a Orquestra Infantojuvenil se apresentou para mais de mil pessoas, e era noite do encerramento do Festival de Dança. Joinville tem uma demanda reprimida de público para as artes. No futuro, queremos entrar no circuito internacional de concertos — afirma Ernesto.

Fonte: NSC Total

Compartilhe.

Deixe uma resposta

quatro × 3 =