Tecnologia transforma música clássica em desenhos abstratos

Google+PinterestLinkedInTumblr+

Composições de Mozart, Tchaikovsky e Beethoven viraram quadros a partir dos movimentos da batuta da maestrina Marin Alsop, da Osesp

A batuta da maestrina Marin Alsop ganhou uma função extra além de orientar os músicos da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). A regência de composições consagradas da música clássica foi transformada em quadros para o projeto “Música para os Olhos”.

Os movimentos de Marin foram captados por sensores e transformados em desenhos por um software. A tecnologia conseguiu converter, desde os gestos mais leves até os mais vibrantes e enérgicos, em linhas e formas abstratas.

Entre as 12 composições utilizadas para criar as peças de arte estão obras consagradas de Debussy, Mozart, Tchaikovsky, Strauss, Stravinsky e Beethoven. A ação foi criada pela agência de publicidade Talent Marcel para a despedida de Marin, que é a primeira mulher a assumir o cargo de regente titular da Osesp.

“O papel do maestro é ser o mensageiro do compositor e trazer aquela narrativa para a orquestra e, por meio dos músicos, para a plateia. A ideia do ‘Música para os Olhos’ é capturar a energia de uma performance e materializá-la em quadros para que as pessoas possam absorvê-la de uma forma diferente”, diz a regente

O “Música para os Olhos” faz parte também das comemorações dos 20 anos da Sala São Paulo. A conceituada sala de concertos receberá a exposição das obras de 2 de maio a 8 de junho. Após esse período, um leilão será realizado em prol das atividades pedagógicas e artísticas da orquestra e seus grupos.

Fonte: Notícias R7

Compartilhe.

Deixe uma resposta

dezoito − 14 =